20 Abril, 2007

Os encantos da flora, orquídea selvagem no seu habitat natural...

13 Abril, 2007

Uma estranha certeza

A Pereira em flôr...
"...Inevitável como a ferida feita pela chuva num coração de pedra, o amor chega um dia à nossa vida e nós não estamos."
Abelardo Linares

10 Abril, 2007

O pôr do sol


Fonte Coberta, 1 de Abril de 2007

03 Abril, 2007

O que a nossa vista alcança...



Na companhia da Maria João e dos nossos amigos de quatro patas dingo e jonas, tomámos coragem e decidimos subir a um dos três montes que circundam a Fonte Coberta. Com alguma dificuldade, visto o terreno ser um pouco tortuoso e íngreme, chegamos a meio do monte. Olhámos para o horizonte... a vista é magnífica: as casinhas da nossa aldeia (infelizmente algumas delas foram esquecidas e estão quase em ruínas, outras reconstruídas sem respeitar a traça original), extensos campos cultivados, vinhas, campos de oliveiras, os montes: Germanelo, Melo, Trás-de-Figueiró e outros montes que eu não sei os nomes!!! Os lugares vizinhos: Póvoa da Pega, Zambujal e etc.
Resolvemos fazer uma pausa e sentamo-nos no chão a gozar a bela paisagem. Após o nosso merecido descanso, pensamos que seria melhor não continuar a nossa escalada, o caminho até ao cimo do monte ainda era longo...

A retirada - Memórias sobre a 3ª Invasão Francesa (cont. II)



" ... Às dez da noite, o grande quartel-general saiu muito tranquilamente de Fonte Coberta, apesar da vizinhança de vários regimentos inimigos, um dos quais se encontrava situado numa elevação atravessada pelo caminho pelo que nós seguíamos. Para o afastar dele, o marechal serviu-se de um estratagema utilizado frequentemente pelos inimigos contra os franceses, cuja a língua lhes era familiar. O generalíssimo, sabendo que o meu irmão falava muito bem inglês, deu-lhe instruções e o Adolfo, avançando até ao sopé da colina e mantendo-se na sombra gritou para o chefe dos inimigos que o duque de Wellington lhe dava ordem de ir para a direita e chegar a um ponto que ele indicava, mas que se encontrava fora da direcção que nós tomávamos. O coronel inimigo, que não podia distinguir em plena noite e no nevoeiro o uniforme do meu irmão, tomou-o por um ajudante-de-campo inglês. Obedeceu, então, imediatamente, afastou-se e nós passámos à vontade, contentes por ter escapado a este novo perigo. Massena e o seu Estado-Maior juntaram-se antes do nascer do dia às tropas do 6.º corpo.

Durante este longo e difícil trajecto, Massena estava extremamente preocupado com os perigos aos quais a senhora X... estava constantemente exposta. O seu cavalo caiu várias vezes nos bocados de rochedo que nós não conseguíamos ver por causa da escuridão. Esta mulher corajosa levantava-se, ainda que estivesse muito ferida, mas, por fim, estas quedas foram tão frequentes que lhe foi impossível voltar a pegar no seu cavalo ou mesmo caminhar e fomos obrigados a mandar os granadeiros transportá-la. Que teria sido dela se nos tivessem atacado?... O generalíssimo, implorando-nos que não abandonássemos a senhora X..., disse-nos várias vezes: « Que erro cometi ao trazer uma mulher para a guerra!». Em suma, saímos da situação crítica em que Ney nos tinha colocado."