27 Dezembro, 2007

Poema de Natal...


«« »»

Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.
Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.
Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.



"Antologia Poética" de Vinicius de Moraes

18 Dezembro, 2007

O Presépio ...





Mais um ano se passou, para mim abrandou nas horas felizes e voou nas horas infelizes...

Pela segunda vez o presépio volta a ter vida dentro da nossa casa. O musgo, a vegetação e as figuras de barro, como: a Sagrada Família, os três reis Magos, o moleiro e o seu moinho, uma lavadeira, uma mulher com um cântaro à cabeça, o pastor acompanhado pelo seu cão e seu rebanho...

A todos um Feliz Natal!!!


12 Dezembro, 2007

Simples inspiração!




é bom parar,

sentir...
o movimento da terra lento e sereno, beijando a lua traindo o sol.

olhar...
os astros no alto cintilantes em tons mil de magia, galáxias de sonho, universo de paz.

tocar...
o orvalho da manhã, cristalino! Como gotas de diamante nos primeiros raios de sol de Primavera

ouvir...
a água correndo na fonte que ali ao lado se abre em charco vivo de vida.

e é tão simples.......

Luís de Almeida