30 dezembro, 2011

Recortes ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

Em contagem decrescente para um novo ano...


365 dias onde desejo Saúde, Alegria e Tudo o resto sinto que esteja onde estiver, vem por acréscimo.

"Que o fim de uma viagem
Seja apenas o começo de outra..."


Roubei daqui… 

29 dezembro, 2011

Natal entre paredes... com ♥


uuuiiiiiii a minha primeira aventura culinária com os papás

mmmmm, bolachas de gengibre

miminhos na árvore de Natal
 
                concluídos os meus serões cor-de-rosa                            os gatafunhos da V.


©  av & as, Coimbra, Dezembro 2012 

28 dezembro, 2011

A prenda que faltava no sapatinho...


Recebi hoje (pela voz do N.) uma multa de excesso de velocidade no valor de 120,00 €. 

Eis a primeira multa, pela correria das manhãs durante a semana, onde o trânsito é cada vez mais caótico e faço cada gincana para chegar a horas ao trabalho... Agora tenho outro obstáculo, fugir aos radares!!!


24 dezembro, 2011

Boas Festas



Desejo a todos um Santo Natal, um fim de semana Feliz em boa companhia de quem mais gostamos, incluindo os ausentes (esses sempre presentes no nosso coração), no quentinho de uma lareira acesa ou de um fogão, uma mesa com uma bela ceia com o nosso fiel amigo bacalhau e acompanhar um bom vinho do nosso belo Portugal. Sim, manter as raízes da terra, alimentar a nossa alma com os bons prazeres da vida. Aproveitar estes dois dias para ouvir boa música, colocar de parte as conversas deprimentes sobre a instabilidade financeira e celebrar as nossas casas, a paz, sentirmos a União e o Amor. Creio, que é  o caminho certo para que esta época que anda tão, mas tão banalizada tenho outro sentido.

A imagem roubei daqui… 

23 dezembro, 2011

As imagens falam por si...

© as, Nova York, 2010



O telemóvel acusa o recebimento de uma mensagem, 
não é um amigo a desejar um Feliz Natal, 
mas sim a P.  que nunca se esquece do dia de hoje...

Obrigada do fundo do coração por estares sempre ao meu lado, ao nosso lado...

Dois anos de ti...

© as, Coimbra, Dezembro 2009




2 anos de casados (pelas nossas contas, 15 anos de amizade).
2 anos de cumplicidade.
2 anos de tempestades, de arco-íris e dias cheios de sol.
2 anos de momentos incríveis.




21 dezembro, 2011

Música para os meus ouvidos...

Quando um Homem Quiser

Tu que dormes a noite na calçada de relento
Numa cama de chuva com lençóis feitos de vento
Tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento
És meu irmão amigo
És meu irmão


E tu que dormes só no pesadelo do ciúme
Numa cama de raiva com lençóis feitos de lume
E sofres o Natal da solidão sem um queixume
És meu irmão amigo
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

Tu que inventas ternura e brinquedos para dar
Tu que inventas bonecas e comboios de luar
E mentes ao teu filho por não os poderes comprar
És meu irmão amigo
És meu irmão

E tu que vês na montra a tua fome que eu não sei
Fatias de tristeza em cada alegre bolo-rei
Pões um sabor amargo em cada doce que eu comprei
És meu irmão amigo
És meu irmão

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

Música: Fernando Tordo
Letra: Ary dos Santos
Intérprete: Paulo de Carvalho

20 dezembro, 2011

Bom dia Sol




© av, Coimbra, Dezembro 2012


termómetro da varanda marca 6º...  
A cidade está mais calma, com as férias escolares consigo fazer o meu trajecto mais tranquilo e sem pressas até ao infantário. Chegamos ao nosso destino, pego em ti e aconchego-te ao meu corpo dentro do meu casaco. Vamos cantarolando e dando os bons dias aos pais e meninos que passam por nós. Abro a porta da sala polivalente, sentimos o calor, tu sempre de sorriso de orelha a orelha saltas do meu colo, tiro-te o casaco e fico apreciar a tua correria ao encontro dos teus amiguinhos de sala. Dou-te um beijo no cabelo e saio.
De fugida passo pela entrada, tiro do bolso a máquina fotográfica e registo a tua árvore de Natal, tem um pouco de ti, um pouco de nós.



15 dezembro, 2011

Mais uma história de nos deixar um sorriso de Vitória


Em Portugal, todos os anos há quase dez mil prematuros 
(Foto: Rui Gaudêncio)





Hoje foi dia de ir ao Centro de Paralisia... a consulta de Terapia da Fala, que correu muito bem. A V. começa a balbuciar mais sons e a interagir mais connosco. Hoje, brincou ao jogo do faz de conta: dar papa ao bebé, fazia o gesto de levar a colher à boca da boneca, levar o copo de água à boca da boneca. O jogo dos objectos iguais, tentar associar as imagens e quando são iguais juntá-las. 
Depois fomos ter com a C. (fisioterapeuta), que ficou radiante de nos ver e verificou que aos poucos os passos da V. vão ficando mais corrigidos e as mazelas do derrame cerebral menos notórias. Conclusão a fisioterapia foi suspensa, sim vamos ficar sempre atentos a qualquer sinal e caso seja necessário a V. regressa às mãos maravilhosas da C.. Hoje, dei um forte abraço à C. e um grande OBRIGADA por cuidar bem da nossa menina, que agora já levantou voo. 

14 dezembro, 2011

Irmã


© av, Rua Garrett - Lisboa, Fevereiro 2009

Hoje a mana grande faz anos.

Apesar de estar longe, canto baixinho (porque estou no trabalho) e dou-te em pensamento os meus parabéns por este dia, por seres minha amiga, por me protegeres quando preciso e por estares sempre ao meu lado, sempre para sempre.

Um beijinho e desejo-te um dia muito Feliz, Parabéns querida Tani.


13 dezembro, 2011

a 1500 metros de altitude

Penhas Douradas (PT) © AV, Novembro 2011 


5 dias em Novembro, o nosso tempo a dois... Numa casa acolhedora, situada no meio de uma paisagem lunar onde conseguimos ouvir o silêncio e recarregar as baterias.


Dentro desta casa, havia um relógio e só ao terceiro dia é que descobrimos de onde vinha o som do cuco. 

12 dezembro, 2011

Trabalhos de casa {1}

Coimbra (PT) © AV, Dezembro 2011 

     
Semana passada a V. veio acompanhada de um anjinho em cartolina... Junto do anjo, o seguinte recado da educadora N.: decorar a gosto e entregá-lo 2ª feira. 4 dias para esta nova tarefa, o primeiro trabalho de casa da V. e dos papás .


Fiquei emocionada, contente... As memórias da minha infância, essas levaram-me bem longe do momento e revi os imensos trabalhos que fiz na creche até à escola primária, trabalhos que eram miminhos para os meus pais. 


Com paciência e ajuda, mãos à obra... O tecido foi escolhido pelo papá, colado e cozido à cartolina, para rematar e dar um ar de vestido uns botões em madeira com a forma de pinheiro. Depois recortei uma franjinha feita com tecido de burel e duas longas tranças feitas com o fio de lã dos meus serões cor-de-rosa. O toque final pedi ajuda à sobrinha I., que tem imenso jeito para o desenho, que delicadamente pintou os olhos, o nariz e a boca. 


Confesso que não foi tarefa fácil, mas no final deu muito gozo. A V. levou um doce anjinho para a sua árvore de Natal da creche, para comemorar com os seus amiguinhos esta época de felicidade.




Fonte Coberta (PT) © AV, Dezembro 2011 

09 dezembro, 2011

Serões Cor-de-Rosa

Coimbra (PT) © AS, Novembro 2011 



Inícios de Novembro.

O frio veio para ficar… Por isso, toca de procurar roupa quentinha para a V.
Tirei uma manhã sem filha e lá fui eu de loja em loja. No entra e sai de mãos vazias, a desilusão apodera-se de mim, procurava camisolas de malha e quando entro numa serie de lojas recebo sempre a mesma resposta: “camisolas de malha, só a partir dos 2 anos”. 
Uns dias depois, na minha hora de almoço, eu e a minha colega A. entramos numa pequena loja que existe perto do nosso local de trabalho, uma pequena loja recheada de lãs e tecidos coloridos. A minha colega, falou-me em ir até lá porque queria começar a fazer uns colares em lã e eu acompanhei-a... 
Já dentro da loja, sinto um bichinho carpinteiro a coçar o meu nariz e quando olho em volta, prateleiras repletas de tons coloridos, fios finos e grossos de todos os feitios. Eis que uma lã cor-de-rosa chama por mim e pergunto a mim mesma: Porque não fazer uma camisola quentinha para a V.
Em pequena tricotei camisolas para mim e agora volto a fazê-lo para a minha filha. Assim, a necessidade obriga e bastou umas dicas da minha mãe e da Dª M. para iniciar os pontos de meia e liga. 

Há tempos o N. proferia: "É urgente abraçar a criatividade e ter a capacidade de implementar sonhos, numa vida que será sempre curta demais." 

Quem sabe já dei o primeiro passo.


05 dezembro, 2011

18 novembro, 2011

Mãe e Filha { 1 }


Viajando de carro logo de manhãnzinha…

A V. levava na mão uma peça de madeira com um desenho de uma vaquinha.

Eu: V. como é que faz a vaquinha?
V.: muuuuuuuuuuuuuuu...
Eu: uauuuu palminhas.
Eu: V. como é que faz o macaquinho?
V.: ú ú ú ú ú ú (faz o gesto com as mãos imitando o macaco, a coçar debaixo dos braços).
Eu: bravo, palminhas.
Eu: V. como é que faz o coelhinho?
V.: põe a língua de fora (a V. aprendeu assim, porque não consegue fazer o movimento do nariz).
Eu: fantástico (bato palminhas).

Ainda deu tempo para cantarmos as "doidas doidas andam as galinhas" e é uma delicia vê-la a fazer os gestos.


17 novembro, 2011

Dia Internacional de Sensibilização para a Prematuridade.


Com 24 semanas e 3 dias a V. nasceu…
Pesava 743 gr. …
Uma frágil lutadora.

Hoje com 18 meses de idade corrigida e 22 meses de idade cronológica,
hoje com 10.550 kg,
V. cresce.

Hoje, é para mim um dia muito especial, hoje recordo o dia do teu nascimento, hoje relembro todos os teus amiguinhos e amiguinhas, vizinhos de incubadora: a L., o S., o J., a B., a R. e tantos outros no mundo inteiro, uns que vingaram e outros que em estrelinhas se tornaram.

14 novembro, 2011

ALEGRIA...


De regresso ao Centro de Paralisia Cerebral de Coimbra, esperámos 5 meses por este dia e hoje sinto-me um pouco mais sossegada e feliz... 
Sinto que estamos no caminho certo, terra firme.
Valeu a pena lutarmos, valeu a pena bater o pé.

A V. tem novo acompanhamento, uma nova equipa de terapeutas e um novo neuropediatra - Dr. Luís Borges. Foi avaliada ao pormenor, houve interacção entre médico e paciente, houve um diálogo entre médico e pais. Uma consulta demorada, com rigor e profissionalismo.


A V. brincou e foi para o colo do Dr. Luís Borges. A V. sente-se segura e nós também...

Hoje é dia de festa.


13 novembro, 2011

5 anos de blog...


5 anos de blog…

E tudo começou assim, no dia 13 de Novembro de 2006, uma simples foto - a entrada da Fonte Coberta com os meus companheiros de 4 patas, o Dingo e o Joninhas.

Foram estes dois cantinhos que me deram e continuam a dar colo, muito colo e terra firme... 
Aqui escrevo, o que me apetece, o que sinto, o que vivo no dia-a-dia, falo das pessoas que me acompanham, falo dos amores que entraram na minha vida.
Tento registar os momentos marcantes do passado e do presente, fazem parte de mim, porque não os quero esquecer e quem sabe mais tarde, mostrar e contar ao pormenor...


Aqui, sinto-me bem, aqui choro, aqui também rio e sorrio... muitos sentimentos e escrevo de mim para mim.

10 novembro, 2011

Goodbye and see you soon...

Londres (UK) © AV, Outubro 2011     

O nosso último dia londrino...
Feito o check-out, fomos até à estação de metro Kings Cross. Saímos em Russel Square, a cidade estava tranquila, dava gosto passear. Hoje, o nosso principal destino era o famoso Bristish Museum, um edifício majestoso para ver a exposição "Treasures of Heaven" . Deixei o N. mergulhar no seu mundo e sozinha fiz o meu percurso de turista, calmamente apreciei as maravilhosas peças - imagens de santos e relicários da história medieval. De vez em quando o N. aproximava-se de mim e dava-me uma explicação técnica. Sou uma sortuda, tenho um professor só para mim... Saí da exposição e fui explorar um pouco o museu. Só consegui entrar em algumas salas, mas fiquei com a vontade de regressar, é um museu do mundo. Satisfeitos pela visita e o N. carregados de livros (como sempre), olhámos para o relógio e eram quase horas de almoço. Planeámos este almoço antes de viajar e elegemos como sendo obrigatório o restaurante Jamie's Italian. Eu e o N. somos amantes da boa mesa, especialmente os sabores do mediterrâneo e nosso apetite sempre aberto a novos pratos. Somos ambos fãs do Jamie Oliver, pela sua criatividade e pela sua simplicidade quando cozinha, e por isso, escolhemos também este restaurante. Confesso, ou era tanta a fome, mas este almoço foi a cereja em cima do bolo. Magnífico em tudo, no paladar, na apresentação, na simpatia dos empregados, o próprio espaço em si era acolhedor e descontraído. Bravo ao Jamie Oliver!!!


Londres (UK) © AV, Outubro 2011     

Saímos muito satisfeitos, naquele momento o cansaço estava esquecido, tanta a alegria e o prazer que retivemos daquele nosso momento. 
A hora do regresso cada vez mais perto, tínhamos de ir até Kings Cross levantar a nossa mala e depois até Liverpool Street, para apanharmos o nosso autocarro que nos levaria até ao aeroporto de Stansted. O tempo passou depressa e seguimos viagem até ao aeroporto. À chegada o caos, filas imensas para o control, enquanto o N. assegura o nosso lugar na fila, fui a correr a uma tabacaria para comprar uns selos para enviar um postal que tínhamos comprado em Londres. Este mesmo postal foi enviado à V. e daqui em diante enviaremos um postal em todas as nossas viagens a dois... Control feito e o postal seguiu viagem (chegou a casa 3 dias depois). Correria para chegar ao terminal longínquo, o mal das companhias low cost, e novamente outra fila para entrarmos no avião. Motores aquecem e após 1970 km estamos quase em casa. 

Chegámos a casa já noite dentro, fomos recebidos pelas nossas mães I. e G.. Ansiosos fomos espreitar o nosso maior tesouro, que dormia tranquilamente. É tão bom regressar a casa...

Estarmos os dois é muito importante, quebrar a rotina do dia-a-dia, termos tempo para namorar seja a viajar ou simplesmente irmos ao cinema. Por mais que nos custe e nós não consideramos um acto egoísta, porque adoramos a presença da nossa filha em todos os nossos dias, temos consciência que precisamos de estar bem, colocar a nossa atenção em nós. 




09 novembro, 2011

por Terras de Sua Majestade...


                                        Londres (UK) © AS, Outubro 2011                              Londres (UK) © AS, Outubro 2011

Sábado de manhã, acordámos com um sol fantástico, (tivemos um fim de semana tórrido, toda a Europa estava com temperaturas de Verão)  saímos os dois de mãos dadas para desfrutar a cidade... O N. já conhecia a cidade e de lição estudada para este curto fim de semana, achámos por bem fazer um programa suave, palmilhar  algumas ruas e bairros de Londres e incluir a visita de um só museu, ofícios do N.
Para começar: passear no belo Hyde Park, fiquei encantada, um jardim imenso no centro de Londres, um espaço verde, com imensas árvores, lagos, patos e cisnes, jardins bem arranjados e cheios de flores, vimos esquilos a saltitar, pareciam que nos queriam desafiar para irmos atrás deles. As pessoas chegavam ao parque, e pareciam desejosas de aproveitar o belo dia, umas ficavam semi-nuas estendidas ao sol, outras brincavam com os miúdos (confesso que me tocou bastante e o meu coração de mãe ficou cheio de saudade), pessoas a passear os seus animais, a fazer desporto... Um espaço maravilhoso no qual aproveitámos para descansar debaixo de uma grande árvore. Seguimos jardim adentro e já perto da hora do almoço, continuavam a chegar ainda mais pessoas carregadas de sacos ou cestas, veio logo à cabeça, com a certeza que iriam fazer um piquenique. Fiquei um pouco roída de inveja, porque na minha cidade não existe um espaço verde onde se possa passar um dia inteiro... Continuando, seguimos até Portobello Road, um mercado de rua, um dos mais conhecidos e frequentados de Londres. Uma perdição, agarrei-me à carteira para ela não abrir... Imensos antiquários, lojas ou bancas de rua muito bem apresentadas, com os seus objectos antigos (relógios, loiças, jóias, livros, discos de vinil, roupa, calçado, brinquedos, etc.), lojas modernas, cafés, bares, restaurantes, tudo na rua... Rua repleta de pessoas e eis que encontramos uma loja de cup cakes, cá fora uma mesa onde acabavam de chegar uma travessa cheia de pequenos e apetitosos cup cakes, olhámos um para o outro e pensámos temos que almoçar e porque não começar pela sobremesa e zásss. Bem, precisávamos de mais alimento e demos com uma tenda a confeccionar comida italiana e venham umas bruschettas e para empurrar um batido de fruta. Cansados, mas sempre com vontade de ver mais, caminhámos pelos bairros com as suas típicas casas vitorianas, sempre que possível espreitava para dentro e grande parte destas casas estavam bem decoradas e cheias de bom gosto. 
Oxford Street, Regent Street, Piccadilly Circus e Trafalgar Square, tanto que caminhámos, os nossos sentidos absorviam tudo, vivíamos as ruas e a cidade... O N. anuncia que tem uma surpresa para mim e o melhor será arranjarmos um local para descansarmos e aproveitar também para fazermos um longo e relaxante jantar. Depois de alguma procura, passámos pelo Soho e acabámos por ficar na zona de Chinatown. Um restaurante turístico (muitos grupos de turistas, uma ementa variada e aceitável, excepto na limpeza das casas de banho, ai se ASAE viesse aqui, já tinham as portas fechadas), cozinha chinesa, e numa mesa junto à janela, apreciámos o nosso belo manjar e o movimento do bairro.  
Caminhámos mais um pouco, e em contagem decrescente para a surpresa, saímos na estação Westminster e ei-lo atrás de mim, o famoso Big Ben. Fiquei de nariz no ar apreciar este monumento que tantas vezes o vi em filmes e revistas, finalmente juntos (embora Londres era uma cidade que não puxava para uma visita). Atravessamos o rio Tamisa e o N. começa por perguntar se eu já tinha descoberto a surpresa, disse-lhe que desconfiava, risos, e tinha razão. Num início de uma noite tão amena, embarcámos no London Eye. A 135 metros de altura, temos um panorama da cidade, para quem faça uma viagem curta, o London Eye é perfeito.  


 Londres (UK) © AS, Outubro 2011                             Londres (UK) © AS, Outubro 2011


Saímos satisfeitos pela vista nocturna, fabulosa mesmo. OBRIGADA. Ainda pensámos ir a um pub londrino, mas a ideia foi posta de lado, porque o cansaço já era grande e amanhã iríamos ter outro longo dia. Regressámos ao hotel.


... continua.



08 novembro, 2011

a 1970km de distância...

                                                                     Londres (UK) © AV, Outubro 2011

Já passou 01 mês, que eu e o N. soltámos amarras e viajámos até Londres. Um fim de semana curtíssimo, dois dias, o suficiente para explorármos a cidade e o mais importante, namorarmos.

Esta foi a nossa primeira escapadela sem a V., aliás minto, a nossa primeira escapadela foi um programa com jantar e de 1 noite de alojamento a 53 km de casa... Pronto, a nossa segunda escapadela e à séria, mais longa na estadia e nos quilómetros. Muito divertida, descontraída, onde iniciámos a nossa aventura num voo apinhado de gente, uma companhia de low-cost onde as hospedeiras vendiam paninis e raspadinhas!!! Aterrámos em Stansted, e de seguida viajámos em autocarro para a cidade. Chegámos a Liverpool Street eram quase 2 da manhã e rapidamente levantámos a mão como sinal de paragem a um táxi (dos antigos) conduzido por simpático senhor já com alguma idade, quando de repente, o N. me diz que não temos libras, ups!! Conversámos com o motorista, que prontamente resolveu o nosso problema e parou o táxi junto a uma caixa de multibanco. Resolvido, seguimos viagem, exaustos pela semana e pela hora tardia, olhávamos pela janela e observávamos a multidão lá fora, pronta para a vida nocturna (já algum tempo que não digo esta frase: soltar a franga). Chegámos ao nosso hotel, ansiosos e ao mesmo tempo curiosos para ver como seriam os nossos aposentos, porque o alojamento em Londres além de caro, deixa muito a desejar. Mas, tivemos sorte, um hotel bastante simpático e central, na zona de Kings Cross, perfeito para a nossa estadia, perfeito para recarregar baterias.


... continua.