06 maio, 2008

Como dizer o silêncio?





Passo por aqui, após o meu habitual e apressado almoço semanal...
Senti uma subita saudade deste "meu lugar"... É aqui onde sinto o silêncio.

7 comentários:

mcg disse...

Até a mim me deu vontade de passear nesses campos!

dejalo que va lejos disse...

Oh miga (".) Tenho andado longe destas paragens e hoje senti uma enorme saudade, parar e ouvir o silêncio deste lugar... estas fotos dão mesmo vontade de o fazer... passear sem destino, longe deste nosso reboliço citadino...

beijos

Anónimo disse...

São lindos os teus campos !
Beijinho
P

Viajante disse...

Manda-me um mapa com as coordenadas ;)

Abraço

Anónimo disse...

DE TARDE

Naquele pic-nic de burguesas
Houve uma coisa simplesmente bela,
E que, sem ter história nem grandezas,
Em todo o caso dava uma aguarela.

Foi quando tu, descendo do burrico,
Foste colher, sem imposturas tolas,
A um granzoal azul de grão-de-bico
Um ramalhete rubro de papoulas.

Pouco depois, em cima duns penhascos,
Nós acampámos, inda o Sol se via;
E houve talhadas de melão, damascos,
E pão-de-ló molhado em malvasia.

Mas, todo púrpuro a sair da renda
Dos teus dois seios como duas rolas,
Era o supremo encanto da merenda
O ramalhete rubro das papoulas!


Cesário Verde

AugustoMaio disse...

Um silêncio lindíssimo, misturado de verde e de vermelho. Um silêncio que se ouve pousadamente. belas fotos.

dejalo que va lejos disse...

Amigo Viajante, temos mesmo que combinar uma vinda tua a este meu delicioso lugar...

Ao anónimo, obrigada pela visita e pelo belo poema...

Amigo Augusto Maio, neste lugar tenho o tempo a meu favor, consigo sentir, ver, ouvir... saborear o silêncio.